03.05.05
Ou, é assim, ou táj a ver, ou tão a ver...é assim que a maior parte das pessoas (incluindo os jovens, mas presente em todas as faixas etárias) começam as frases/orações (estamos no âmbito da gramática e não do religioso). É triste ou simplesmente normal? Já que deriva do nosso excelente ensino. A mim quer-me parecer que existem várias falácias e deficiências nos programas, métodos, fórmulas e que mais enunciados pelo Ministério da Educação e demais Governos.
A principal, pelo menos nesta questão, é a divisão do português a partir do 10º ano. Se o aluno decidir enveredar por Ciências, Matemática ou Artes deduz-se que não precisa do Português para nada. Ora, se isto, até é verdade com a Matemática no que diz respeito aos alunos de Português/Letras pelo menos em certa medida, estaremos a esquecer-nos de que todo e qualquer indivíduo fala e usa a sua língua.
Possivelmente deveríamos, afastar os alunos destes outros cursos de literatura "mais pesada" (se alguém souber o que isto é, diga-me), quiçá organizar um programa em torno do uso oral e escrito da língua mãe. É constrangedor ver alunos na faculdade (e aqui temos de dar o braço a torcer, acontece com alunos de Letras as well) que não sabem escrever ou falar.
Volto a uma questão que já mencionei aqui mais do que uma vez. Nem todos os que são professores o deviam ser. Há necessidades de ordem motivacional a serem tidas em conta, o professor deve alterar o conteúdo das aulas perante as diferentes turmas e o diferente percurso dos alunos.
Uma das coisas que mais me chocou, e atrasou, na faculdade foram as aulas de linguística. Para mim Linguística é difícil, o meu cérebro não aceita tudo aquilo como lógico, simplesmenta não entra cá dentro. E chateava-me os alunos de Estudos Portugueses serem avaliados pela mesma bitola (quando não mais severamente) que os alunos de Linguística propriamente ditos.
Deverá e terá de haver uma caracterização dos objectivos de cada curso/áream de cada currículo e futro possível de cada aluno e a partir destes parâmetros criar um programa que responda (não é agrade, é responda) às necessidades, presentes e futuras, dos alunos.
Claro que isto custa dinehiro e demora tempo, mas parece-me que poderia ser um caminho possível.
publicado por wherewego às 10:22

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Maio 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11


22
24
25
26



arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO