21.01.06
Já li os 3 primeiros livros de Simon Scarrow: A Águia do Império (Under the Eagle) ; O Voo da Águia (Eagle´s Conquest) e When the Eagle Hunts.
Já tenho o 5º na estante, mas quero ver se encontro o 4º, para o ler antes. Valem a pena estes romances sobre a Legião Romana.
Contra bávaros, bretões ou traidores romanos Cato e Macro vão evoluindo como personagens e vamos vendo um pouco do esplendor e decadentismo do Império romano. Vamos vendo e pensando os Impérios do ponto de vista dos que a eles pertencem e dos que são assimilados por eles.
a ler e a ter em conta - Simon Scarrow
publicado por wherewego às 15:24

Tudo está mais calmo agora. Não parecem os mesmos. Mais curtos. Sucintos. Internacionais! Nem parecem os mesmos Telejornais.
Depois de uma noite de farra os convivas estão a dormir, a sonhar alegres com a noite passada. O país continua, mas mais alegre, farto da campanha que ontem acabou. Hoje é dia de relexão.
Devia haver um dia de reflexão política todas as semanas, seria mais bonito, mais calmo, mais simpático. Até o dia nasceu azul hoje.
Pensem e penem, com sorte amanhã esta história acaba.
publicado por wherewego às 15:18

Lembro-me de no início da década de 90 ver um filme na RTP2, um filme alemão que contava a história de uma jovem à procura de respostas, respostas sobre o que acontecera nas décadas de 30 e 40 na Alemanha. Não me lembro de muita coisa, mas lembro-me que as respostas eram dadas com vergonha, com dor, com violência. E em geral a resposta era não ou nada. Não digo nada, não aconteceu nada, ou desaparece!

Também Usas o Meu Nome
de Norbert e Stephan Lebert trata sobre a vida, o pensamento, os traumas, as experiências dos descendentes dos dirigentes nazis.
Achei o tema extremamente interessante. Nunca me tinha lembrado do que poderia ter acontecido aos descendentes dos dirigentes/altos quadros nazis.
Também Usas o Meu Nome responde a algumas das questões que se levantam, está editado pela Ambar e vale a pena desfolhar as suas páginas.

O que mais me surpreendeu, e se calhar não deveria ter acontecido, foi como filho de peixe sabe nadar. Muitos dos descendentes nazis continuam a perfilhar das mesmas ideias, da mesma ideologia, do amor à figura paternal e dum respeito, quase adoração à figura de Hitler. Respeito, amor, discipulado são algumas das ideias que perpassam pelo livro e pela história de alguns destes descendentes.

Deixo-vos alguns excertos.

Uma última pergunta: se alguma vez na sua vida sentiu que o apelido do seu pai era uma condenação. “Uma condenação, como? – pergunta-me por sua vez Hess. – Não, nunca, em caso algum”.
No seu livro Rudolf Hess: “Não me arrependo de nada”, Wolf-Rudiger conta como comunicou ao pai, na prisão, o nascimento dos seus três filhos. A primeira filha nasceu a 23 de Abril, e Rudolf Hess felicitou-o com uma carta que ironizava ao de leve a “falta de pontaria”, referindo-se a 20 de Abril, o aniversário do Fuhrer. Não é fácil de acreditar, mas um ano mais tarde chegou ao mundo o pequeno Wolf Andreas, e desta vez tudo coincidiu, já que a data do seu nascimento foi precisamente 20 de Abril.”

“Há pouco fui ao cinema ver o “Fight Club” com Edward Norton e Brad Pitt. Um filme que teve muito êxito e que era bom do ponto de vista cinematográfico e técnico. Como disse, talvez esteja a ler demasiado sobre o tema, mas a história desse filme podia ser, mudando ligeiramente as coordenadas uma história sobre o movimento nazi. Um jovem reflecte sobre a sua vida vazia de sentido numa sociedade vazia de sentido. Com um pseudo-amigo funda o chamado “Clube de Combate”, onde jovens e bem parecidos rapazes se encontram para lutar; para se sentirem vivos outra vez. Em todos os lados vão proliferando esses clubes secretos, numa unidade de assalto como as SS ou as SA. Gostaria de perguntar a Klaus von Schirach, o filho do chefe das Juventudes Hitlerianas, o que acha deste filme, se lhe lembra de alguma forma os tempos passados ou o seu pai.”

“O nome de Heinrich Himmler e a sua casa têm para Martin Borman um significado especialmente atroz. (...) Hedwig Potthast, secretária e amante de Himmler disse-lhes que lhes queria mostrar algo muito interessante, uma colecção particular do seu chefe; subiram ao sótão e abriu a porta; havia ali mesas e cadeiras feitas com partes de corpos humanos. O assento era uma pélvis lavrada, os pés de outra eram umas pernas humanas, incluindo os pés. Imediatamente a senhora Potthast lhes mostrou um exemplar de Mein Kampf encadernado com a pele de umas costas humanas.”
“Este tema foi tabu durante muito tempo. Que destino implica ser filho de um nacional-socialista, de um criminoso, de um assassino? Como sobrevive uma pessoa a uma coisa destas? Que dose de sofrimento isso acarreta? Ou dito de uma outra forma: o filho de um nazi é também uma vítima?”
publicado por wherewego às 15:10

mais sobre mim
Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
20

24



arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO