26.01.06
Pensei num novo projecto, acho que pode ter piada.
Entrem aqui, e conheçam, participem e divulguem.
publicado por wherewego às 20:15


Continuo na minha - N�o GOSTO!!! Nem desenhado pelo Brian Hitch. Posted by Picasa
publicado por wherewego às 19:10


O resto dos mortais, excelente Jack Black Posted by Picasa
publicado por wherewego às 09:29


A Musa Inspiradora Posted by Picasa
publicado por wherewego às 09:29


O Kong Posted by Picasa
publicado por wherewego às 09:25

Primeiro queria ver. Depois a vontade esfriou um pouco. Estrearam outros filmes igualmente interessantes.
Depois o amigo americano que trabalha nos efeitos especiais veio visitar os pais, e por acaso tinha participado no filme, são dele os movimentos faciais do macacão.
E por isso, na 2ª Feira fui ver o King Kong. E deve-se dizer que este não é um filme para a maioria das salas portuguesas, ou pelo menos para o meu rabinho em particular. Já me doía tudo, já não sabia como me estar.
Não vou poder analisar tudo o que é original e o que segue de perto a versão original, deixemos de parte a versão com a Jessica Lange. Mas o DVD com o filme de 1933 está já ao lado do leitor e deve ser uma questão de dias.
King Kong é acima de tudo um caso de amor. Amor entre Peter Jackson e a história. Amor entre Kong e a personagem de Naomi Watts e amor entre a camera de filmar e Naomi Watts.
Naomi quase que rouba o filme a Kong, mas é, claramente dela que sai toda a força, intensidade cinematográficas. Existem personagens que ficam para sempre coladas a determinado actor/actriz. Esta é uma delas. Não estou a imaginar outra actriz a desempenhar o papel de modo tão eficaz como Watts.
O filme é um pouco longo, mas compensa. Demora 30 minutos a arrancar, mas quem tem pressa não vai ver filmes de 3 horas. Acaba por ser um dois em um, é para além do remake de KK, quase que um update de Jurassic Park (Peter Jackson não deixaria de ser uma óptima escolha se um dia pensassem em mais um JP).
Gostei mais do que esperava vir a gostar. as cenas finais são de uma contenção e exacerbação enormes. E vale os 5 euros e 20 que nos cravam actualmente por um bilhete.
publicado por wherewego às 09:15

Em meados de 2007 e após 13 anos de existência uma das séries exemplares dos comics indies americanos chega ao fim.
Terry Moore anunciou o fim de Strangers in Paradise, com o número 90.
Sniff. Sniff.
publicado por wherewego às 09:13

mais sobre mim
Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
20

24



arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO