03.01.06
Vou começar a postar alguns textos passados, escritos sempre no ano anterior, durante o mês em que nos encontremos. Há sempre aqueles que passam por aqui, que não têm paciência de ir aos arquivos.
Para eles e porque já não escrevo uma breve narrativa há muito tempo, aqui fica uma singela homenagem ao Jorge Palma.

Mais uma vez a noite acabou em discussão. A esposa foi para o quarto. Ele ficou na sala, a olhar para o aparelho de televisão sem prestar atenção a nada. Ficou por ali cerca de uma hora. Quando chegou ao quarto ela dormia. Ou fingia.Deitou-se a seu lado.
A distância que os separava parecia um fosso. Tentou dormir, fechou os olhos. O pensamento fugiu-lhe, ou melhor passeou pelos labirintos da memória. Lembrou-se de ver um concerto acústico, numa loja em Lisboa. Há quantos anos. Lembrou-se de estar com um amigo. Chegaram horas antes. Foram fazendo tempo.
A salinha foi-se compondo. Nenhum deles namorava. O amigo lançava piropos baixos, que só ele ouvia, a cada rapariga jeitosa que passava. Ele observava.A alguns metros deles duas amigas sentaram-se. Olhou para as duas, mas o olhar fixou-se numa. Ela olhou para ele, notou que a observava. Desviou o olhar, ele envergonhado também. O artista demorava a chegar. Olhava para ela sub-repticiamente. Notou que ela também o fazia.O concerto começou. Uma das músicas diz:
Porque terras de sonho andaste,
Que Mundo te recebeu,
Que monstro te meteu medo
Que anjo te protegeu,
Quem foi o menino que o teu coração prendeu ?
Ele olha para ela, olha para o seu sorriso. Sente-se a planar. Nem sequer sabe o nome dela. O amigo olha para ele, sorri e diz: Aquela é gira.E ele pensa: Cala-te. Não estragues o momento. A música acaba. Olha para o músico, e bate palmas.Uma nova música começa a ser tocada.
Os teus olhos são cor de pólvora e o teu cabelo é o rastilho
O teu modo de andar é uma forma eficaz de atrair sarilho
A tua silhueta é um mistério da criação
E sobretudo tens cara de anjo mauCara de anjo mau, tu deitas tudo a perder
Basta um olhar teu e o chão começa a ceder
Cara de anjo mau, contigo é fácil cair

Quem te ensinou a ser sempre a última a rir?
Os seus olhos encontram-se, ela sorri timidamente. Ele sente, mesmo, o seu chão tremer. A troca de olhares demora uma eternidade. Já não se lembra quem o afastou, mas isso também não interessa. Olhar para ela lembra-lhe uma outra música: E o paraíso no teu olhar. O concerto acaba.
Ele ainda fica por ali uns momentos. O músico está a dar autógrafos. Nota que ela também ficou. Passa algumas vezes por ele. Lentamente, como que a dar oportunidade para que ele lhe diga alguma coisa. Ele não tem coragem. De dizer olá. Um simples oi.Não sabe porque é que se foi lembrar daquele concerto agora, neste momento. Lembra-se da frustração na ida para casa. Lembra-se de uma música lhe lembrar o fracasso.
Eh, pá, deixa-me abrir contigo
Desabafar contigo
Falar-te da minha solidão
Ah, é bom sorrir um pouco
Descontrair-me um pouco
Eu sei que tu compreendes bem
Não se lembra da cara da rapariga, nem de qualquer traço distintivo. Da cor do cabelo ou dos olhos. Nunca soube o nome dela.Há felicidade a pequenos passos de ti, o medo de falhar, de tentar pode levá-la embora. Olha para a mulher, chama-a. Ela acorda facilmente, se é que alguma vez estivera a dormir. Tem os olhos vermelhos. Ele pede-lhe desculpa e abraça-a.Uma outra música lhe vem à mente, mas facilmente ele afasta-a.
E quando te voltar a apetecer seguir em frente,
Se me quiseres acompanhar,
Canta uma canção de amor,
Pinta os olhos cor de mar...
Põe no teu peito uma flor,
Traz um amigo qualquer
E vamos juntos abraçar o sol nascente
Agora a música é deles. A letra, são eles que a vão escrever juntos…
publicado por wherewego às 08:53

02.01.06
Troquei as doze passas
(passas? 12? a torcer pela selecção? ugh!)
por dois copitos de D. Perignon.
Isto de passar o ano novo em casa de amigos com bom gosto na bebida acaba por compensar.
publicado por wherewego às 13:43

Ano novo, vida nova. Mas há quem há um ano atrás tenha decidido começar o ano, começando um blog.
Para o Conversamos e para o Da Literatura, os meus parabéns.
publicado por wherewego às 13:32

Não resisti e tive de comprar o segundo volume da série sobre as legiões romanas de Simon Scarrow. E comprei-o mesmo na edição em português.
Decidi enviar um mail à editora comentando sobre a tradução e falhas na revisão de texto. Recebi em poucas horas a resposta, e asseguraram-me que reconheciam os erros do primeiro volume e que os seguintes já estavam bem melhor. É sempre de realçar a frontalidade, a rapidez e a capacidade de reconhecer o erro e de melhorar, coisa que vem faltando a algumas editoras.

Visitem e experimentem algumas das obras literárias da Saída de Emergência.
publicado por wherewego às 13:24

A maior notícia, para já, de 2006 é mesmo a confirmação de Marco Ferreira
como reforço do SLB.
publicado por wherewego às 13:22

01.01.06
Comprei, com o dinheiro recebido no Natal, A Águia do Império de Simon Scarrow.
Trata-se dum romance no seio das legiões romanas, aquando da estadia de Cláudio na poltrona imperial. Li-o, bem mais rápido do que estava à espera. É interessante, cheio de trivialidade romanas/clássicas, do dia a dia da vida nas legiões.
A tradução deixa um pouco a desejar, ou melhor, mais do que a tradução pior é a revisão(inexistente? Como me parece norma nas edições nacionais). Erros, letras que faltam ou que estão a mais, uma ou outra gralha de tradução acabam por comprometer a leitura e o desejo de comprar os próximos volumes na edição em Português, ainda que o grafismo seja extremamente interessante.
Deixo aqui alguns sites, para irem descobrir um pouco mais acerca desta série, e um pequeno excerto.
O Site Oficial; e o site nacional referente ao primeiro volume.
"(...) alguns recrutas não dissimulavam a sua hostilidade para com ele, especialmente um grupo de homens enviados para a Legião, provenientes da prisão de Perúsia, e que haviam feito toda a viagem unidos por uma corrente. O seu autoproclamado líder era um homem que se destacava por ter um corpo maciço e ser tão feio, a ponto de lhe chamarem Pulcher, o belo.
(...)
Estava só e longe dos seus amigos de Roma. Por um momento, sentiu-se imensamente desgraçado e vieram-lhe lágrimas aos olhos. (...) Todos os seus petulantes mestres de grego e a sua estúpida admiração pela retórica e poesia mais selectas...De que é que lhe serviam agora? Como ia a poesia protegê-lo daquele outro animal, o centurião Bestia? Neste momento, trocaria de bom grado todos os seus conhecimentos e toda a sua cultura por um só amigo".
Estas linhas referem-se a Cato, uma das personagens principais, a outra é o centurião Macro. Aceitem esta pequena sugestão de ano novo.
publicado por wherewego às 19:51

UM BOM ANO NOVO PARA TODOS VOCÊS!
publicado por wherewego às 19:39

mais sobre mim
Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
20

24



arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO