30.10.07
A capacidade artística pode ser alterada (para bem ou para mal) por substâncias várias?
Olhando para o ciclismo e para os abandonos ou irradiações/suspensões a resposta é obviamente positiva, a suspensão ou irradiação não acontece somente pelo exemplo dado, aparentemente há um upgrade na performance. O caso parece ser o mesmo para outros desportos. O termo científico será então o de dopagem. Parece que queremos continuar com o antigo lema grego " Mente Sã em Corpo São".
Quais serão então as considerações que poderão ser feitas? Quais os pontos contra o uso de substâncias ilegais?
Bem, por um lado, devemos realçar a habituação física, psicológica e tudo o que pode advir daí. Por outro as mazelas físicas, lembram-se das atletas da Antiga União Soviética e dos danos observados anos depois da tomada de hormonas e outras substâncias?
Por outro lado, há a questão da justiça, estarão em igualdade atletas em competição quando uns o fazem sem o uso de substâncias de qualquer tipo e outros estão obviamente em upgrade?
Porque não, então, dar a oportunidade a concursos ou campeonatos somente para atletas dopados? Porque se generalizou que há um risco acrescido para a saúde. Deles, obviamente.
Porquê falar de dopagem? Lembrei-me deste assunto a ouvir Rehab de Amy Whinehouse.
Têm havido alguns pedidos da família da cantora para que se façam os possíveis e os impossíveis para a enviar para reabilitação. A família teme pela curta duração da sua vida, pelo uso e abuso de drogas e álcool.
A pergunta feita, indirectamente, por uma notícia lida era a da preferência, preferimos um artista drogado com obra feita, ou um artista reabilitado com pouca garra e obras menores?
A pergunta pode parecer cínica, mas a resposta parece indicar que muitas vezes o público é mais vampiro que mecenas.
Quantos artistas ouvimos nós que compõem as nossas músicas preferidas ao "som" de droga, álcool e outras substâncias aditivas ou proibidas? Quem, neste caso, os irradia ou suspende? Normalmente, a morte.
Kurt Cobain, Janis Joplin, Bob Marley, Nick Drake - ficando só na música - serão alguns exemplos. Na literatura haverá muitos mais.
O que acontece muitas vezes é que o público não olha para os seus ídolos como pessoas, mas quase como deuses, ou outra figura impessoal. Idolatramos mais o seu produto do que a sua personalidade, e muitas vezes arriscamo-nos a ficar surpreendidos com apelos como os da família de Amy Winehouse.
Será a morte o preço a pagar pela arte?
publicado por wherewego às 13:44

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

14

21
27

28
29


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO