22.02.08
Há livros sobre os quais convém não dizer muito. Quanto menos se souber melhor. O prazer da leitura fundamenta-se na descoberta da obra.
Este é um desses.
Ao contrário do que o nome possa sugerir o livro não é, nem por sombras, macabro, nem, de certa forma, fantasioso. Dentro da fantasia que incorpora, é extremamente realista.
Em A Breve História dos Mortos encontramos duas narrativas paralelas.
Na primeira somos levados à cidade, local onde os mortos se encontram depois da morte, e onde permanecem, até que sejam lembrados no mundo dos vivos. Quando a sua lemrança desapare, eles desaparecem também da cidade.
O primeiro capítulo mostra-nos algumas alterações na vida quotidiana nesse mundo. Um vírus no mundo real está a dizimar a população, e a permanência na cidade torna-se muito rápida. Poucos sobrevivem, lembrando-se dos que morrem.
Na segunda história seguimos uma especialista da vida selvagem, a fazer um estudo, patrocinado pela Coca Cola, na Antártica.
Laura vai ver-se sozinha e necessitada de fazer uma longa viagem até ao centro de contacto da expedição.
Sabemos que algures no livro haverá o contacto entre estas duas histórias. De que modo?
Breve História dos Mortos é um livro sobre o poder da memória, e a forma como somos vistos ou notados pelos outros. É um livro sobre relacionamentos, sobre como nos ralacionamos, intimamente ou não, com os outros e a forma como vemos aqueles que passam por nós, em diferentes alturas da vida.
Para além deste tema central, há uma série de críticas, mais ou menos aprofundadas, à vida moderna, à sociedade e cultura.
O poder das grandes empresas, personificada pela Coca Cola, o poder do marketing, o medo dos terroristas e da violência, o que é a fé, o que nos lembramos e a forma como a lembrança dos despe psicologicamente.
Não é um livro existencial, ainda que sobre a existência, mas é o que poderia ser um livro difícil de contentar o leitor acaba por ter um resultado extremamente interessante.
Não que seja perfeito, há capítulos com informações a mais ou a menos. Há personagens que são mais apelativas do que outras. Mas no final Breve História dos Mortos acaba por atingir o(s) seu(s) objectivo(s).
Um dos livros de 2008.
8/10
publicado por wherewego às 11:46

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

17
21
23

24
29


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO