29.01.05
Já escrevi aqui alguns textos nostálgicos, de visita ao passado.

Quero fazê-lo mais vezes. Vou tentar escrever alguns episódios que me tenham marcado, ensinado, ou que sejam importantes para quem eu sou.

Começo com uma introdução. Faz uma condensação de algumas coisas que já escrevi aqui, e pavimenta o caminho para o futuro.



Olho para trás e sorrio.

Apesar do quarto de século, acredito que já vivi algumas coisas engraçadas. Pelo menos para mim… Acho que nos esquecemos, facilmente, do que experienciamos diariamente. E isso é o que nos faz ser nós mesmos.

Somos resultado de tudo. Da rua em que vivemos, dos amigos que temos e tivemos, das experiências por que passámos, pelas viagens que fizemos, pelo que vimos, etc. Acho que já perceberam o ponto.

Como humanos gostaríamos de voltar atrás e poder mudar algumas coisas. Era bom, mas ainda bem que não podemos. Desse modo podemos (e devemos) aprender com os erros.

Olho para trás…

Ter pais alentejanos permitiu-me uma enormidade de experiências (uso enormidade, pelo que vou dizer a seguir e comparando com essa realidade) em relação ao que vejo hoje em dia.

Tive oportunidade de conhecer a vida “citadina” (à falta de palavra melhor) e a rural. Tive oportunidade de ir ao teatro (com a escola) e ao cinema, mas também andei de burro, de carroça, fui buscar água à fonte, alimentei bezerros, assisti a vacalhadas, fui à pesca e à caça, apanhei lagostins, sei lá mais o quê. E para o bem e para o mal, isso fez de mim o que sou hoje.

Os verões eram passados aqui pela praia, por Montargil e por Montejuntos, perto do Redondo/São Pedro do Corval.

A barragem, as hortas, as caminhadas (se calhar era por isso que não estava tão redondo) pelos montes e planícies alentejanas, Montargil (um dos meus locais favoritos), Ponte de Sôr (outro) são imagens que habitam cá dentro.

E por vezes sinto falta de andar por ali, não só em memória, mas também literalmente.

Foi em Montargil que comecei a namorar com a minha trolhinha (faz na 3ª F 4anos e 6 meses – já?), foi em Montargil que conheci muitos dos meus verdadeiros amigos, no ABS durante os verões.

É de bom tom o português ser saudosista. Está na herança genética. Mas pode ser bom, viver e reviver as experiências passadas.

É este o meu desejo e a minha vontade, em próximos posts.



Incrível! Escrevi um rascunho em papel (sim!Ainda há quem faça isso) primeiro. São dois textos completamente diferentes. O do papel e o do blog. E faço sempre isto!
publicado por wherewego às 21:28

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
20

24
26

31


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO