28.04.08
Falar de livros que estão noutro local é difícil, por vezes falta a frase ou sentido real e pode-se simplesmente dar a ideia geral.
Enfim... avancemos.
A Infelicidade Pela Biografia foi um prazer. Um relembrar das aulas com o Prof. Abel, pelo estilo, pelo humor, pelo sarcasmo, pela ironia, pela temática. Ainda que ignorante, em maior medida do que pretendia, gosto de Teoria da Literatura e de tudo o que tem a ver com o forro/a outra face da literatura.
A Infelicidade foi a desculpa para voltar a alguns termos esquecidos, ah! os anacolutos...
Um bom livro. E pequeno de tamanho, o que agradará a muitos. De qualquer modo, o Autobibliografias (é este o nome?) está lá à minha espera. Dependerá só da leitura do Machado de Assis.
Algumas das crónicas são imperdíveis. A primeira, sobre a ida do cronista ao cinema, ver O Carteiro de Pablo Neruda, e uma desculpa para falar de leituras, ou outra, sobre a linguagem hermética e difícil de muitos textos académicos.
Um mimo, descoberto através do Da Literatura, que linkou a editora
.
Night Train to Lisbon é um best-seller. O que quer que isso queira dizer. Andei a passeá-lo por mais de três semanas. Houve momentos em que pensava se o continuaria, e outros em que prolongava a leitura com redobrado prazer.
Acabei-o ontem. Já um pouco farto de toda a trama. Serei ainda novo para o compreender?
Talvez...
O livro conta a história de um professor de línguas que, de um dia para o outro, decide mudar de vida. Um encontro com uma portuguesa e com um livro português dão-lhe a desculpa. Vem a Portugal, decidido a descobrir o autor do livro que descobriu.
É um romance de descoberta, de pesquisa, de indagações, directas e internas, de paradoxos e contradições, de descoberta de personalidades, do indagar sobre o ser humano.
Li-o em inglês, e os erros no português são demasiados. Nunca fui muito de existencialismos. E este é, de certo modo, um romance existencialista, já que indaga sobre a existência e a utilidade das actividades. Por trás, há o período de resistência ao Estado Novo, e o Estado Novo, o 25 de Abril, as escolhas pessoais e as dificuldades de temperamento.
Um livro interessante, mas demasiado penoso para mim, pelo menos, no momento actual.
6.25/10
tags:
publicado por wherewego às 13:09

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
19

20
21
22
24
25
26

27
29
30


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
subscrever feeds
blogs SAPO