22.09.09
Dan Brown terá escrito mais um best-seller e, ainda que este ande às voltas com segredos maçónicos, o alvo é o mesmo - a Bíblia, ou a sua mensagem.
Tal como no anterior, ainda que de forma diferente, Brown tenta desmontar o centro da mensagem bíblica. Anda às voltas com símbolos, mensagens mal interpretadas e Langdon, o personagem principal, descobrirá a verdade escondida nas páginas do Livro.

The Lost Symbol é um melhor livro que o Código da Vinci, consegue fugir aqui e ali ao que já sabemos que vai acontecer e tem um twist final inverosímil, mas interessante.

De resto, a fórmula é a mesma. Símbolos, mensagens secretas, a verdade secreta finalmente desvendada, ainda por cima contra a vontade de Langdon, que se mantém, quase até ao fim, cético, depois torna-se esponja, acreditando em tudo (religiosamente falando).
Aparentemente, Brown chega tarde, depois dos místicos anos 90, mas as "suas verdades" ainda conseguem apelar a muitos em busca de algo. O livro é esotérico, místico, cheio de conspirações e esses são os pontos fortes de Brown, que consegue trazer alguma verosimilhança à trama que descreve, o problema são as fundações. Teologia de polichinelo, com péssima exegese, um conhecimento das raízes das palavras um pouco forçado e um atirar de nomes e mais nomes para dar uma imagem mais real.

Qual o problema, perguntarão alguns, não se trata de um romance? Uma página inicial parece indicar que, como anteriormente, o autor anda entre o romance e o tratado, prometendo dados explosivos. Dizendo-o claramente, Brown escreve para quem quer acreditar no que ele escreve. E penso que ele próprio acredita.

Patologias à parte. Que o senhor tem imaginação não duvido e o romance entretém. Que, e fiquemos numa área que conheço melhor, altere e não compreenda teologia, mas queira ser um doutor da mesma, faz-me mais confusão.

Aliás, Brown não é nada de novo, as suas teorias, ideias e ideais não são novos, são reciclados, por vezes, muito mal reciclados.


Brown parece querer acreditar, mas ao mesmo tempo não consegue, é para ele mais fácil acreditar que a Bíblia tem uma mensagem escondida do que acreditar naquela que claramente usa. Brown escreve que as histórias são pouco recomendáveis e demasiado fantasiosas, mas não consegue, sinal de americanismo primário, desfazer-se dela e aproveita ideias caducas de que o que interessará será algo contido nela, secreto e acessível só a alguns (com usos inimagináveis, ou nem tanto, de versículos para apoiar as suas teses).
É mais fácil acreditar nos poderes do nome de Deus, do Santo Graal (ok, este ele já "explicou"), ou de outros objectos do que na mensagem do Livro.
Depois de ler, ficamos com uma certeza. Pode-se ler a Bíblia de duas maneiras, com ou sem fé ( e esta é atributo de Deus), as obras dos homens são como trapos de imundícia, ainda que por vezes um pouco melhor do que a obra anterior.
publicado por wherewego às 13:07

16.09.09
Depois de ter lido The Strain de Guillermo del Toro, um arrepiante e viciante livro de terror (será que del Toro pretende transformar a trilogia em filmes?), o primeiro de uma trilogia e de que falarei mais adiante, ando com o novo de Dan Brown na mala.
Desta vez Dan Brown vira os argumentos na direcção da Maçonaria, com pouco mais de 100 páginas lidas constato que a ementa é a mesma - teoria da conspiração, um pouco de ficção científica (ou extrapolação de variados dados) e a noção de que o livro se baseia em factos, pessoas e instituições reais.
Ah! Bom Tarantino que criou um filme de guerra que pensávamos ser a sua visão da realidade e afinal é uma realidade alternativa. As diferenças da arte...
Nas mais de 100 páginas que já li, Brown continua a manter um controlo invejável na vontade do leitor passar página após página, ainda que o começo seja um pouco lento ( a baba que caía sobre uma das páginas levou-me a apagar a luz e ir dormir após a leitura de menos de 20 páginas), já voltei a reencontrar Langdon, já li sobre os acontecimentos dos dois livros anteriores e até da Vinci foi (brevemente) trazido de volta aos acontecimentos que marcam este livro.
O interessante neste livro é a aposta e desenvolvimento da cidade de Washington como personagem e toda a história maçónica e simbolista da cidade. Interessante, mas não novo, que o rapaz aqui é fã do National Treasure, embora me pareça que a história avance em direcções bastante diferentes dos dois filmes da saga mencionada.
tags:
publicado por wherewego às 17:46

mais sobre mim
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2004:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
comentários recentes
"Pandev nao mentiu" "Pandev no mintió"
Jornalistas desportivos madrilenos desrespeitam DI...
Don Andrés Amorós Guardiola.....¿Mourinhista?
forcinha amigo :)
se calhar eles arrumam as coisas por secções: mass...
olha que tu também tens as tuas taras a arrumar co...
Já eu tenho no policial um dos meus géneros de ele...
Policiais nunca foi algo que me atraísse muito par...
Na minha opiniao, investir em gato fedorento é sem...
ah... a riqueza de descrever as coisas simples! go...
blogs SAPO